terça-feira, 30 de junho de 2015

UNIÃO PELA FATEC DE SÃO JOAQUIM DA BARRA

Com os amigos de São Joaquim da Barra

Recebi, no último dia 27, em meu escritório regional de Ribeirão Preto, a visita do prefeito de São Joaquim da Barra, Dr. Marcelo Mian; do vereador Hilário Morais; dos assessores Gil Fleming e   Lourival Furlan; do presidente do diretório municipal do PSDB daquela cidade, Adinam Teixeira, bem como de Claudio Caridade (Cheba) e Everaldo Batista (membros do PSDB joaquinense). Tratou-se, na realidade, da continuidade da reunião que, com os mesmos integrantes, mantivemos no último dia 16 com a Profa. Laura Laganá (presidente do Centro Paula Souza) quando lhe apresentamos o pleito de São Joaquim da Barra em prol da instalação de uma FATEC (faculdade de Tecnologia) naquele próspero município.
Devido a receptividade simpática da professora Laganá a reunião em meu escritório foi, justamente, para o detalhamento do projeto a ser apresentado objetivando o aval do Centro Paula Souza. Deixei claro ao prefeito e à comitiva joaquinense que podem contar comigo; se depender de mim, a FATEC de São Joaquim da Barra logo deixará de ser um sonho para se transformar numa realidade concreta beneficiando não apenas aquela cidade como também todas as demais do seu entorno.  

FERNANDO TIBÉRIO INGRESSA NO PSDB

Abonando a ficha do Sr. Fernando Tibério


Com muita alegria e emoção abonei a ficha de filiação ao PSDB do eletricista Antônio Fernando Tibério, filho do meu saudoso amigo   Bernardino Tibério Filho que, por muitos anos, foi motorista da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, servindo com dedicação e lealdade a diversos prefeitos. Assim como o pai, Tibério é uma pessoa idealista, daí o seu interesse em militar num partido que procura respostas para os problemas do país, do Estado e também da nossa cidade. Acompanhou-o neste ato singelo, realizado no meu escritório regional, o ex-presidente da Câmara Municipal e ex-vereador Osório Carlos do Nascimento que tivemos a honra de privar da amizade do pai e agora essa amizade continua no filho.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

APOIO PARA PROJETO ESTABELECENDO PLANO DE CARGOS E CARREIRAS PARA SERVIDORES DO TJ-SP

Com os Oficiais de Justiça que me visitaram na última sexta-feira, 26


Recebi, no dia 26 de junho, em meu escritório regional de Ribeirão Preto, um grupo de oficiais de Justiça que vieram pedir o meu apoio para o Projeto de Lei Complementar 56, de 2013, instituindo planos de cargos e carreiras para os servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Referido PLC já conta com parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação da ALESP, bem como da Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento. Garanti-lhes o meu total apoio a esse PLC e comprometi-me a envidar esforços no sentido de acelerar a sua tramitação, pois trata-se de uma iniciativa voltada para a valorização e o aprimoramento do próprio Judiciário.

FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMPROMETE SAÚDE DO MUNDO


Welson Gasparini

Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde 41% dos seres humanos não têm acesso a privadas ou a banhos com água encanada e tratada. São quase três bilhões de pessoas no mundo, assim, expostas a bactérias, vírus e parasitas encontrados em dejetos humanos. A cada ano, no mundo, morrem mais de 15 milhões de pessoas vítimas de doenças infecciosas. O dado é alarmante e vale ser repetido:  15 milhões de pessoas, todo ano, morrem no mundo por falta de saneamento básico!
A falta de saneamento básico é, assim, um fator que compromete a própria saúde pública mundial, promovendo óbitos e doenças gastrointestinais de toda ordem.  
Os governantes, em grande maioria, enquanto assistem a morte e o sofrimento de muitos dos seus governados, reclamam, às vezes até com razão:  não dispõem de recursos para tratar a água fornecida à população e fazer redes de esgotos. No Brasil, infelizmente, são milhões as famílias que não dispõem de água tratada, de instalações sanitárias adequadas ou de rede de esgoto nas ruas. Em muitas cidades, o esgoto coletado - quando ainda existe essa coleta -  é jogado in natura em córregos e rios pela falta de uma estação de tratamento para livrá-lo das naturais impurezas.
Dizem: os recursos públicos são pequenos! Logicamente o poder público precisa de mais dinheiro, mas, lamentavelmente, falta critério na aplicação do dinheiro existente. Só isso para explicar os bilhões de reais dirigidos pelos nossos governantes para obras secundárias como, por exemplo, em construção e reformas de estádios de futebol.
O BNDES, banco do governo federal, liberou bilhões de reais para a construção ou reforma de estádios que foram utilizados na última Copa do Mundo (no qual nossa seleção passou pelo vexame de ser goleada pela Alemanha por 7X1) e atualmente, em grande parte deles, estão ociosos e ainda dando prejuízos para os seus gestores. Para onde foi esse dinheiro?  Belo Horizonte, R$ 400 milhões; Cuiabá, R$ 393 milhões; Fortaleza, R$ 352 milhões; Manaus: R$ 400 milhões; Natal, R$ 400 milhões; Salvador, R$ 324 milhões; Recife: R$ 400 milhões; Rio de Janeiro: R$400 milhões. Estou citando apenas os estádios, mas muito mais dinheiro foi aplicado nessa Copa do Mundo ora tendo sua própria lisura contestada pelo MP.
Para futebol, não falta dinheiro. Onde estaria o dinheiro para saneamento básico das cidades do Brasil sem estações de tratamento de esgoto e que jogam esgoto sem tratamento em córregos e rios, provocando a poluição dessas águas e comprometendo a saúde de seus moradores? Lamentavelmente, esse dinheiro falta e, ainda agora, os governantes de todos os níveis estão fazendo os chamados “contingenciamentos”. Como há uma crise econômica no País, todos eles cortam verbas indiscriminadamente, atingindo e comprometendo o direito que todo o cidadão brasileiro deveria ter de dispor do seu esgoto e de sua água tratadas como fatores de higiene, saúde e bem-estar.

sábado, 27 de junho de 2015

CRAVINHOS RECEBE UM CENTRO DE PESQUISA BIOTECNOLÓGICO DE SEMENTES

Momento da inauguração oficial do Centro de Pesquisa Biotecnológico de Sementes


A convite do presidente da Dow AgroScienses Brasil, Welles Pascoal, participei da inauguração, em Cravinhos, do Centro de Pesquisa Biotecnológico de Sementes, em evento também prestigiado pelo secretário estadual da Agricultura, Arnaldo Jardim e pelo prefeito daquela cidade, José Carlos Carrascosa, o “Boi”. Trata-se do primeiro centro de pesquisa instalado por essa empresa sediada em Indianópolis, EUA (como subsidiária da Dow Chemical Company), fora do seu país de origem. O fato coloca em relevo o potencial de Ribeirão Preto e Cravinhos na produção de sementes; só em Cravinhos, onde as sementes representam 26% do total exportado, houve um crescimento de 13% do total do produto para fora do país. Esse Centro tende a se tornar referência na pesquisa de sementes tropicais com capacidade para atender toda a demanda da América Latina, elevando o Brasil a um novo patamar de excelência, reduzindo em até dois anos o tempo para a conclusão de pesquisas em comparação ao processo atual. Essa obra, numa área de 4mil m2 e que gerará 100 empregos diretos, faz parte dos investimentos de US$ 100 milhões da Dow, desde 2013, na expansão das suas atividades no Brasil.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

26 DE JUNHO: DIA NACIONAL DO DIABETES


O dia 26 de junho é considerado o Dia Nacional do Diabetes; infelizmente, é fácil conhecer alguém que sofre ou tem na família um parente com diabetes. Somente no Brasil, estima-se que 7,6% da população urbana, entre 20 e 69 anos, é acometida pela doença. Isso corresponde a cerca de 14 milhões de pessoas convivendo com o mal no país, o quarto no ranking mundial do diabetes. Um simples exame de sangue pode acusar o diabetes; caso haja elevação da glicose, exames adicionais são realizados para confirmar o diagnóstico.
É recomendável que todos os adultos maiores de 45 anos tenham a glicose de jejum aferida assim como os abaixo desta faixa enquadrados em algum fator de rico como, por exemplo, parente de primeiro grau com diabetes, obesidade, hipertensão, aumento do colesterol, ovários policísticos e sedentarismo.
É possível evita-la através da prevenção contra os fatores de risco, sendo importante manter hábitos de vida saudáveis, praticar atividade física regularmente, aumentar o consumo de fibras na alimentação, reduzir o consumo de sal e gorduras, e controlar o peso.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

PRORROGAÇÃO DA VALIDADE DE CONCURSO PARA AGENTES FISCAIS DE RENDA

Em indicação que apresentei na ALESP solicitei ao governador Geraldo Alckmin determinar aos órgãos competentes, em especial à Secretaria da Fazenda, a prorrogação, por mais dois anos, da validade do Concurso Público para nomeação de Agentes Fiscais de Renda, realizado em 2013, expirando em 12 de julho de 2015. Na minha justificativa, menciono informações sobre a existência de 1.036 cargos de Agente Fiscal de Rendas vagos que poderiam, perfeitamente, ser preenchidos pelos já aprovados no referido concurso no qual foram aprovados 1.832 candidatos e mais de 1.000 ainda não foram chamados, estando em disponibilidade e prontos para iniciar o treinamento e o trabalho. Cito, ainda, que a prorrogação desse concurso público está prevista no artigo 10 do Decreto 60.449 de 15 maio de 2014, inexistindo assim qualquer impeditivo à prorrogação da sua validade por mais 2 (dois) anos.  

DIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL



A hipertensão arterial é considerada um dos principais fatores de risco à saúde no mundo, podendo causar doenças do coração, derrames, diabetes e doenças renais; dados globais mostram que sete milhões de pessoas morrem a cada ano e 1,5 bilhão de pessoas adoecem devido a hipertensão arterial. Como membro efetivo da comissão de saúde da ALESP, participei da reunião realizada na última terça-feira, 23/06, quando foi aprovado o projeto de lei, apresentado pelo deputado Jooji Hato, instituindo o “Dia Estadual de Prevenção à Hipertensão Arterial”, comemorável anualmente em todo o dia 26 de abril. Apoiando a iniciativa eu lembrei que, de acordo com a secretaria Estadual da Saúde, 30% da população adulta paulista é hipertensa, daí a importância de serem ampliadas as ações preventivas visando, entre outros objetivos, reduzir o risco de acidente cerebral, doenças arteriais coronarianas e mortes por evento cardiovascular.  

VERBAS PARA A SANTA CASA DE IGARAPAVA

Com os amigos da Santa Casa de Igarapava

Recebi, em meu escritório regional de Ribeirão Preto, a visita de integrantes da diretoria da Santa Casa de Igarapava que vieram, em comitiva, solicitar o meu apoio para uma causa das mais nobres: o recebimento, por aquela instituição beneficente, de verbas do Pró-SUS e do Pró-Santa Casa. Segundo me explicaram o Dr. Ruduen José, Randal, Valdete, Sônia Martelozo e João Pedro, a Santa Casa de Igarapava está credenciada nos dois convênios, mas, no entanto, ainda não está recebendo os recursos financeiros originários dos mesmos.
Achei extremamente justo o pedido e me coloquei à disposição para ajudar; informei aos visitantes o meu propósito de, brevemente, visitar aquela Santa Casa para ver de perto o importante trabalho por ela realizado em prol da saúde pública daquela comunidade.

REIVINDICAÇÕES EM FAVOR DO MUNICÍPIO DE PEDREGULHO

Com Jofre Afonso, vereador Oripinho Panfleteiro, Edna Martins e João Luiz dos Santos


Atendendo solicitação do vereador Euripides Vaz Rodrigues (Oripinho Panfleteiro), de Pedregulho, recebi em meu escritório regional de Ribeirão Preto as honrosas visitas de Jofre Afonso, Edna F. Martins e João Luiz dos Santos respectivamente superintendente, 1º tesoureiro e 2º tesoureiro da Santa Casa de Pedregulho. A exemplo de tantos outros hospitais beneficentes, a Santa Casa de Pedregulho enfrenta dificuldades financeiras e precisa, assim, do apoio do Estado. Prontifiquei-me a ser portador de tão justa reivindicação e, também, de batalhar em prol de outras solicitações que me foram encaminhadas, por ofícios, pelo vereador Oripinho: material esportivo para a Secretaria de Esportes daquela cidade; cerca para a Escola Municipal Profa. Maria Madalena Straiotto de Souza e doação de brinquedos para a creche Alfredo de Almeida.

CAFÉ DA MANHÃ NA FRENCOOP

A convite do Presidente da OCESP (Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo), Edivaldo Del Grande, participei na manhã da última terça-feira, 23/06, de um café da manhã na FRENCOOP (Frente Parlamentar do Cooperativismo).
Compartilho, aqui no blog, o vídeo do discurso que fez durante a reunião.

video

terça-feira, 23 de junho de 2015

PELO RESPEITO AOS IDOSOS, PORTADORES DE DEFICIÊNCIAS E CRIANÇAS

Tomei conhecimento de uma estatística aterradora sobre portadores de deficiências físicas e mentais estuprados e violentados, diariamente, por pessoas sem caráter, sem moral. Segundo essa estatística cinco pessoas deficientes físicos ou mentais, no Brasil, sofrem violência todos os dias, por pessoas ditas “normais”. E, quem são elas? São aquelas desprovidas de formação moral, ética e religiosa. São os membros, talvez, que não respeitam, nos estacionamentos públicos ou dos shoppings, as vagas reservadas aos idosos e aos portadores de deficiência...


segunda-feira, 22 de junho de 2015

ONDE ESTÁ O DINHEIRO PARA O SANEAMENTO BÁSICO DAS CIDADES BRASILEIRAS?

Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que 41% dos seres humanos não têm acesso a privadas ou a banhos com água encanada e tratada. São quase três bilhões de pessoas no mundo que estão expostas a bactérias, vírus e parasitas encontrados em dejetos humanos. A cada ano, no mundo, morrem mais de 15 milhões de pessoas vítimas de doenças infecciosas. Veja bem: 15 milhões de pessoas, todo ano, morrem no mundo por falta, justamente, de saneamento básico.
Para isso, os governantes, infelizmente, em grande maioria, reclamam que não têm dinheiro para tratar a água que é fornecida à população e para fazer redes de esgotos. No Brasil, infelizmente, são milhões de famílias que não têm em suas casas água devidamente tratada, nem privada, nem rede de esgoto na rua. Em muitas cidades, o esgoto coletado - quando têm - é jogado em córregos e rios sem qualquer estação de tratamento que impeça esse absurdo.


RIBEIRÃO PRETO, 159 ANOS...


Welson Gasparini

Quando Ribeirão Preto completa 159 anos não posso deixar de rememorar a vida vivida naquela cidade desde quando, mocinho ainda, na busca de um lugar onde pudesse ter melhores oportunidades de trabalho e de estudo, deixei a minha Batatais. Já se passaram, de lá para cá, mais de 60 anos e minha vinda não foi direta: nos primeiros tempos, já matriculado no curso normal do Instituto de Educação Otoniel Mota (na avenida 9 de julho), eu vinha e voltava todos os dias. Naquela altura eu já era órfão de pai (meu pai, Victório Gasparini, faleceu muito moço ainda) e morava com a minha mãe, dona Deolinda e minha irmã Terezinha. Meus irmãos, mais velhos, já tinham tomado rumo em suas vidas: Ampélio cursava a Academia de Polícia, da qual sairia como oficial da PM e Alpheu, já formado professor, lecionava em escolas de Ipuã e São Joaquim da Barra; Geraldo, Djalma e Wilson também seguiam voos solos.
Meus primeiros tempos em Ribeirão Preto – então uma cidade de porte médio, com pouco mais de 100 mil habitantes – foram de expectativas que a própria vida haveria de superar.  Eu era jovem, tinha todas as ambições próprias da idade, mas ainda não tinha emprego. Por sorte, minha mãe ouviu a Zyr-79 anunciando que estava realizando concurso para contratação de locutores e me disse: ”você tem uma leitura fácil, porque não tenta?” Fiz o teste e fui contratado juntamente com o Domingos Isaac (que acabou se elegendo vereador e sendo o vice-prefeito de Antônio Duarte Nogueira no seu primeiro mandato como prefeito de Ribeirão Preto). Mais algum tempo e uma outra porta me foi aberta pelo “Diário de Noticias”, jornal da arquidiocese de Ribeirão Preto: ainda ligado a Batatais, sabendo de um jogo entre o time batataense com o São Paulo FC, procurei o Braulio Geraldo, redator daquele jornal, solicitando-lhe credencial para entrar no jogo, naturalmente sem pagar o ingresso. Vai daí que, nesse dia, o então governador Jânio Quadros visitava a cidade: aproveitei para entrevista-lo, pedindo-lhe inclusive uma mensagem para Ribeirão Preto. Jânio, muito gentil, chamando-me de “menino”, deu-me uma entrevista que levei, ocupando várias laudas, para o jornal; quanto ao jogo, limitei-me ao relato básico. O pessoal do jornal gostou e fui convidado para nele trabalhar como repórter.
Do jornalismo para a política foi um passo: empolgado com as ideias da Democracia Cristã, expressas no Brasil através da liderança do ex-governador Franco Montoro,  ingressei no Juventude  Democrata Cristã e, em 1958, disputei e venci a eleição para vereador de Ribeirão Preto; dois anos depois, fui candidato a deputado estadual mas não obtive a quantidade necessária de votos para me eleger; entusiasmado, entretanto, pela votação então recebida atrevi-me a um passo maior, numa missão  praticamente impossível: em 1963 disputei a Prefeitura, venci  e comecei, então, a trabalhar em prol de uma Ribeirão Preto melhor, incluindo a  construção de praças e a abertura de  avenidas que ainda hoje tanto amenizam e facilitam a vida dos ribeirão-pretanos.
Ribeirão Preto, em resumo, é uma cidade a qual tudo devo e tudo o que puder fazer em  retribuição será pouco; uma dívida que a cada ano  cresce mais e nunca conseguirei pagá-la!

VISITA DE AMIGOS DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTE

Recebi em meu gabinete, na ALESP, a visita de alguns dos muitos amigos que tenho na secretaria de Logística e Transporte do Estado de São Paulo, muito bem liderada pelo meu também amigo deputado federal Duarte Nogueira. Registro, com muito prazer, esse agradável encontro do qual participaram Milton Cordova, Leonardo de Jesus Santos, Luiz Anselmo Zucoloto e Jorge Alves de Oliveira Neto.

Com os amigos da Secretaria de Logística e Transporte de São Paulo

AMBULÂNCIA E RECURSOS PARA A SAÚDE DE MORRO AGUDO

Agendei uma audiência, no último dia 17 de junho, do prefeito de Morro Agudo, Amauri Benedetti, com o secretário estadual da Saúde, David Uip na qual apresentamos reivindicações básicas dos moradores daquele município: uma ambulância para o deslocamento dos enfermos e verbas para a saúde pública. Morro Agudo, a exemplo de tantos outros municípios brasileiros, enfrenta dificuldades para atender as necessidades da sua população em área tão crucial, daí o apelo formulado pelo prefeito Benedetti e seus assessores (Wellington Floriano Rosa e Bruno Cesar Vicari de Oliveira), com o meu total apoio, em busca de recursos estaduais para suas agruras. 

Momento da reunião com o secretário estadual da Saúde, David Uip

domingo, 21 de junho de 2015

FALECIMENTO DA AMIGA NAIRZINHA NOGUEIRA

É com pesar que informo o falecimento de nossa amiga Nair Nogueira, mãe do Secretário de Logística e Transportes de SP, deputado Duarte Nogueira. O corpo será velado no velório Memorial Campos Elíseos - Rua Fernão Sales, 1287, em Ribeirão Preto.
Meus sinceros sentimentos ao deputado Duarte Nogueira e a toda família.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

PARABÉNS, RIBEIRÃO PRETO!


REITERANDO APELO PELO NÃO CONTINGENCIAMENTO DE VERBAS PARA A SAÚDE

Participei, na manhã desta quinta-feira, 18, de um café da bancada tucana na ALESP com o governador Geraldo Alckmin quando focalizei problemas necessitando de solução. Conforme esclareci em nota divulgada no meu Facebook fiz, mais uma vez, um APELO ao governador para não cortar a verba destinada para a SAÚDE.  Argumentei com o fato do estado de São Paulo ter uma migração muito grande de pessoas de outros estados em busca de tratamento médico, além dos próprios paulistas já sofrerem com a escassez de recursos e serviços dessa área.
Sobre a criação da Região Metropolitana – de certa forma travada por recente legislação federal – fiquei animado com o que ouvi do governador: ele afirmou a possibilidade de, ainda neste ano, transformar Ribeirão Preto em Região Metropolitana determinando, portanto, a sequência dos trabalhos técnicos.
Tive oportunidade, ainda, de defender a tese de instalação do “Governo Itinerante”, para que o governador e secretários despachem em cidades sedes das regiões possibilitando, assim, um contato direto com prefeitos, vereadores, instituições, entidades de classe e a população em geral.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

REUNIÃO DO HC E DA FMRP COM O SECRETÁRIO DAVID UIP

Eu e o secretário de Transportes, Duarte Nogueira, acompanhamos na quarta-feira, 17/06, uma comitiva de representantes da USP e do HC-RP em audiência com o secretário da Saúde, David Uip, com a participação, entre outros, do diretor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Prof. Gilberto Carlotti Filho; do atual diretor do HC-RP, Prof. Benedito Maciel e do diretor anterior, Prof. Marcos Felipe.
Nessa audiência foram apresentadas as dificuldades enfrentadas pelo HC e suas necessidades imediatas. Durante a reunião, que durou mais de duas horas, eu assumi o compromisso de, no âmbito do legislativo estadual, lutar em defesa das verbas reclamadas pelo HC e, ao mesmo tempo, conclamar o governador Geraldo Alckmin a não promover contingenciamento de verbas para esse segmento tão importante. 

quarta-feira, 17 de junho de 2015

FATEC PARA SÃO JOAQUIM DA BARRA

Chulipa, Adinam, eu, Profa. Laura Laganá, Gil Fleming, Cheba e Marcelo Papito


Na tarde da última terça-feira, 16/06, acompanhei expressiva comitiva de São Joaquim da Barra em audiência que agendei com a professora Laura Laganá (presidente do Centro Paula Souza) para apresentação de uma reivindicação das mais justas: a instalação de uma Faculdade de Tecnologia (FATEC) naquele município. Ao lado de Gil Fleming, representante do prefeito Marcelo Mian; do suplente de vereador Cheba; do presidente e do tesoureiro do diretório municipal do PSDB, Adinam e Chulipa, bem como do meu assessor Marcelo Papito, expusemos à professora Laganá as razões que levam São Joaquim da Barra a pleitear uma FATEC. Foi uma reunião bastante positiva na qual pudemos sensibilizar a diretora do Centro Paula Souza sobre a importância de dotar São Joaquim da Barra desse importante instrumento educacional.

RIBEIRÃO PRETO EM TEMPO DA 15ª FEIRA NACIONAL DO LIVRO

Momento em que fui entrevista pela vice-presidente da Fundação Feira do Livro, Adriana Silva

Música, dança, homenagens e, claro, literatura marcaram a abertura oficial da 15ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. Realizada na noite do último sábado, 13/06, no Theatro Pedro II, o evento mostrou o passado de construções, o presente de superação e vislumbrando um futuro de maiores conquistas. Entrevistado, naquela oportunidade, pela vice-presidente da Fundação Feira do Livro, Adriana Silva, falei como alguém que, como outros, deu sua contribuição para o sucesso desse evento, pois a própria Fundação Feira do Livro foi criada durante minha última administração como prefeito desta cidade.
Acompanhei com muita emoção a solenidade inaugural vibrando, sobretudo, com a brilhante apresentação da nossa Orquestra Sinfônica.
Ribeirão Preto viverá, até o próximo domingo, 14, grandes momentos culturais com a presença de destacados nomes da literatura e do jornalismo discutindo temas relevantes. Mais uma vez, num momento em que o Estado, a União e o Município enfrentam dificuldades financeiras, a união de forças – conforme frisou o presidente Edgar de Castro – foi fundamental para superar as dificuldades.

terça-feira, 16 de junho de 2015

FUMAR NARGUILÉ É COMO FUMAR 100 CIGARROS


Eu, como antitabagista que sou, não poderia deixar de repassar essa informação extremamente importante: o narguilé, também conhecido como cachimbo d'água, uma tradição árabe, prejudica a saúde tanto quanto o cigarro. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, consumir uma rodada no cachimbo é equivalente a fumar 100 cigarros. Além da dependência, o narguilé pode causar câncer, doenças cardiovasculares e doenças precoces.
De acordo com dados da Organização Mundil de Saúde (OMS), os tabacos usados no cachimbo, que têm diversas essências, apresentaram quatro vezes mais nicotina, 11 vezes mais monóxido de carbono e 100 vezes mais alcatrão do que o cigarro comum. Além disso, consumir uma rodada no cachimbo equivale a fumar 100 cigarros.
O carvão usado para acender o narguilé também é inalado e é prejudicial à saúde. Outro fator de risco é a transmissão de doenças contagiosas já que as piteiras por onde se fuma são compartilhadas por várias pessoas ao mesmo tempo, o que leva a um alto risco de herpes labial e até doenças mais graves, como tuberculose e hepatite C.
Para saber mais sobre os riscos do narguilé, acessem o link a seguir: 

“O POPULISMO RADIOFÔNICO” GANHA REEDIÇÃO ESPECIAL NA 15ª FEIRA DO LIVRO

Um importante relato e uma análise do papel do rádio na história da comunicação de Ribeirão Preto fazem parte de “Populismo Radiofônico” lançado, originalmente, em 1975 e relançado, 40 anos depois, num dos eventos mais importantes do primeiro dia da Feira do Livro de Ribeirão Preto. Com muita alegria participei, na tarde do último dia 14, da solenidade do relançamento dessa edição histórica tema, por sinal, de debate com a minha participação; do autor, Divo Marino; e dos jornalistas André Luiz Rezende e Antonio Carlos Morandini.
Realizado nas dependências do Centro Cultural Palace, o evento foi uma oportunidade para a reflexão sobre o papel fundamental do rádio AM no desenvolvimento da própria comunidade local e regional, bem como sua força na criação de lideranças políticas que se sustentaram pela qualidade das suas propostas. Usando da palavra, destaquei a importância da obra de Divo Marino – que foi meu professor no curso normal do Instituto de Educação Otoniel Mota, articulista em jornais de Ribeirão Preto e da região, pintor, caricaturista e autor de 12 livros que podem ser vistos, até o final do mês de julho, na mostra “A Palavra e o Traço”, no MARP (Museu de Arte de Ribeirão Preto). Museu criado por ele quando foi secretário da Cultura em minha terceira administração na prefeitura de Ribeirão Preto.

Eu, os jornalistas Antonio Carlos Morandini e André Luiz Rezende, e o escritor Divo Marino

terça-feira, 9 de junho de 2015

CORTAR VERBAS PARA SAÚDE É CORTAR VIDAS...


Welson Gasparini

Haverá, em qualquer escala de valores que se faça, algo mais importante do que a vida humana? E vida humana para ser vivida na plenitude não depende, fundamentalmente, da saúde física e mental de quem a vive? Por isto mesmo eu vejo com enorme apreensão notícias de cortes, principalmente da parte do governo federal, nessa área tão essencial.
Se a saúde publica brasileira já é tão precária com os recursos financeiros ora disponíveis, imaginemos se eles forem, conforme essa palavra tão em uso, “contingenciados”. É um absurdo inominável. Cortar verbas para a saúde, “contingenciá-las”, é cortar vidas.
Em reunião recente da Comissão de Saúde da ALESP, da qual sou membro efetivo, fiz um apelo, aprovado pela unanimidade dos meus pares, no sentido dos governos federal, estaduais e municipais – mesmo forçados a reduzir despesas em função da queda nas arrecadações – preservarem essa área fundamental.
É importante a preservação dos recursos da Saúde, cujas dificuldades financeiras já são grandes:   se houver mais cortes, será um verdadeiro caos neste país. Já não bastam os muitos casos de pessoas mortas nas portas dos hospitais e dos postos de saúde, após esperaram horas e horas por uma consulta médica ou por uma internação? As crianças mortas por falta de leitos nos hospitais ou de médicos no momento em que buscavam o atendimento? A falta de remédios e outros requisitos fundamentais para tratar os doentes neles internados por muitos hospitais?
Fazer mais economia na Saúde é matar mais gente neste País e, com isto, não podemos concordar de jeito nenhum. Infelizmente, na conjuntura atualmente enfrentada pela economia do nosso país, falta dinheiro para tudo: não pode, entretanto, é faltar dinheiro para a saúde.
 A Comissão de Saúde, por unanimidade, apreciando esta minha proposta, decidiu:  enviará uma moção à presidente da República, através também dos ministros; aos governadores de Estado, através dos seus secretários e aos prefeitos municipais, para terem muito cuidado nesses cortes chamados “contingenciamentos”.
Não é possível, num país como o nosso, assistirmos passivamente crianças e idosos morrerem por falta de assistência médica e hospitalar. Muitas pessoas vão de uma cidade a outra, em desespero, para ver se encontram uma vaga em qualquer hospital, de qualquer cidade. E a resposta é sempre a mesma: não há condições de atendê-las.
No estado de São Paulo os chamados hospitais filantrópicos, as Santas Casas, muitos deles estão fechando suas portas por falta de recursos financeiros. É uma emergência, reconheço. Na área federal, o ministro da Fazenda, Levy, anuncia uma série de medidas para ver se conseguimos vencer essa grave crise assolando o nosso país. Essas medidas, embora justificáveis, não podem afetar ainda mais a área da saúde.
E fiz ainda um apelo ao poder Judiciário no sentido de agilizar a recuperação do dinheiro desviado dos cofres públicos pela corrupção e fazê-lo ser aplicado em áreas essenciais como a da saúde. Saúde é vida e a vida, como um bem de valor inestimável, não pode ficar à mercê de interesses meramente pecuniários. 

terça-feira, 2 de junho de 2015

SOBRE A REFORMA POLÍTICA...


FUMO: A MAIOR DE TODAS AS TRAGÉDIAS


Welson Gasparini

 Quem acompanha minha atividade legislativa sabe: sou antitabagista militante. Não me canso em proclamar os malefícios do cigarro e em tentar convencer, até mesmo alguns dos meus colaboradores e amigos muito queridos, a abandonarem – em benefício de suas próprias vidas – esse vício letal. Nem sempre, claro, sou bem-sucedido na minha pregação porque o cigarro, como qualquer outro vício, exige muita força de vontade e muita determinação para ser abandonado.
O dia 31 de maio foi instituído pela Organização Mundial de Saúde como o “Dia Mundial sem Tabaco”. Não é, claro, uma data para ser comemorada, mas, sim, vista como referencial da luta sem tréguas da própria humanidade contra um dos seus mais devastadores inimigos e um alerta candente sobre as doenças e mortes a todo momento provocadas por essa droga conhecida como fumo. São mortes claramente evitáveis, daí a importância de campanhas educativas despertando, sobretudo nos jovens, a consciência do risco que acompanha e persegue todo fumante.
Segundo relatório da própria Organização Mundial de Saúde, cinco milhões de fumantes morrem por ano devido a doenças relacionadas ao cigarro. É como se 8   populações de cidades do porte de Ribeirão Preto, com seus mais de 600 mil habitantes, desaparecessem do mapa em apenas um ano. O fumo, ouso dizer, é uma das piores – senão a pior -  tragédia enfrentada pela humanidade. Fiz uma pesquisa sobre os grandes acidentes naturais acontecidos no mundo, a partir das inundações do rio Amarelo, na China, em 1556, quando mais de 830 mil pessoas morreram e constatei: nenhuma dessas tragédias (ai incluindo os terremotos, maremotos e tsunamis) matou tanto quanto mata o cigarro diariamente, semanalmente, mensalmente e anualmente.
O naufrágio do Titanic, tão celebrado até no cinema, matou menos de 2 mil pessoas; as bombas de Hiroshima e Nagasaki (que apressaram o fim da segunda guerra mundial, provocando a rendição incondicional do Japão) mataram menos de 400 mil pessoas. Já o cigarro, esse infame vilão, mata cinco milhões de pessoas por ano e continua impune, livre e solto para provocar novas vítimas.
 Tomo conhecimento de uma boa notícia: profissionais da Saúde, em todo o Brasil, vão realizar campanhas para demonstrar os malefícios do fumo - o que, por sinal, já deveria estar acontecendo, sistematicamente, há muito tempo. Estudo do Ministério da Saúde mostra um dado preocupante: 80% dos fumantes acenderam o primeiro cigarro com menos de 20 anos e 20% com menos de 15 anos de idade. Muitos dos atuais fumantes foram sugestionados pelo glamour dos antigos filmes, nos quais astros e estrelas - certamente subvencionados pela indústria do fumo - apareciam tragando cigarros de aparência inocente. Quem não se lembra do cavaleiro do Marlboro, ele mesmo morto com câncer no pulmão?
Indago: por que as autoridades ainda toleram o cigarro e permitem sua livre comercialização? Fazem guerra contra a cocaína, a maconha, a heroína - e devem fazer, mesmo - mas não fazem nada contra o cigarro. Reitero sugestão que já dei ao governador Alckmin:  aumente os impostos sobre o cigarro e isente de impostos os medicamentos. Dê, portanto, prioridade à vida e não à morte.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

UNAERP ORGANIZA MESA REDONDA SOBRE “A DITADURA E OS SEUS REFLEXOS”

Com muita honra participei, na noite da última sexta-feira, 29/05, como convidado especial dos organizadores, da mesa redonda realizada pela 3ª e 7ª etapas do curso de jornalismo da UNAERP –sob coordenação do professor Gil Santiago – tendo como tema “A Ditadura e os seus reflexos”. Esse evento teve transmissão ao vivo da rádio UNAERP-FM e contou, também, com a participação de Eduardo Silveira, Organizador da Comissão da Verdade da OAB-RP; Maria Aparecida dos Santos, pesquisadora e ex-presa política; e Lilian Rosa, doutora em História e pesquisadora.
Durante quase três horas, inclusive respondendo indagações e questionamentos dos alunos, vários aspectos daquele período da vida brasileira foram focalizados (políticos, militares, econômicos, sociais, culturais etc). Ao lado de Gil Santiago, ensejando a interatividade entre os convidados especiais e os estudantes, participaram também a professora Carmem Cagno e os alunos Paulo Mello e Vinicius Brino. Tive a oportunidade de dar o meu depoimento pois na época, recém-empossado como prefeito de Ribeirão Preto, vivi momentos de muita tensão, felizmente superados com o retorno do país à plenitude democrática ora vivida.  

Mesa Redonda: "A Ditadura e os Seus Reflexos"




ASSOCIAÇÃO DOS APOSENTADOS AGRADECE PROJETO DE EXTENSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS

 
Eu, José Rubens, e meu filho, vereador Maurício Gasparini

Recebi, no último dia 29/05, em meu escritório regional de Ribeirão Preto, ao lado do meu filho, o vereador Maurício Gasparini, a visita de José Rubens, ex-vereador em Ribeirão Preto e presidente da Associação dos Aposentados e Pensionistas da cidade. Durante nosso encontro, falamos de assuntos do interesse daquela entidade e também sobre o projeto de lei – solicitado pelo próprio José Rubens – que apresentei na Alesp propondo acrescentar um inciso na lei nº 15.179 garantindo aos maiores de 60 anos a alternativa de pagar, no uso do transporte rodoviário intermunicipal, 50% do valor da passagem desde que os dois assuntos gratuitos para eles, previstos em lei federal, estejam reservados. Essa possibilidade já existe no transporte interestadual e o meu projeto visa, justamente, cobrir essa lacuna do Estado. Tenho confiança na aprovação desse projeto pelos meus colegas deputados, todos eles sensíveis às causas da terceira idade e, igualmente, na sua promulgação pelo governador Geraldo Alckmin.